Lisboa #8

Hoje queria ser a luz e a serenidade
a eternidade de uma tarde de Verão
vista de uma qualquer janela lisboeta
telhados vermelhos quase aqui
o Tejo de velas brancas ao fundo
e (claro) a Lisnave já ali, do outro lado.

Lisboa #7

Pensar em quantos olhares se perderam
na calmaria deste rio
numa tarde de sol e de Verão
em que o vento fustiga os cabelos
e os sentidos.

Tantas vezes
os olhos pedem o vazio
a liberdade do céu aberto
para lá do mar.

Um rio-mar
um céu aberto
para vir à tona e respirar.

Lisboa #6

A questão é que
por mais que te queira esquecer
entranhaste-te nos recantos que habitámos juntos
no vento que embala as folhas
nas danças de luz e sombra
nas pequenas fissuras entre as pedras da calçada.

Lisboa terá sempre
o antes
o depois
o agora
aquela memória triste
e ao mesmo tempo infinitamente bela
dos momentos tão efémeros em que fui tua.

Lisboa #5

O sítio onde vivo é desprovido de poesia.

É povoado de passos apressados
fumos de autocarros ruidosos
passagens mal iluminadas
e cheiros acres em dias chuvosos.

Mas quando os dias começam a ficar mais compridos
e a luz mais quente
as sombras de final de tarde
jogam com a dureza funcional da cidade
criando efémeros instantes de beleza.

Firenze

Vejo com os olhos do passado e do presente
olhos de outras viagens, livros e poesias
vivendo o momento
sonhando o futuro.

O tempo transcorre líquido
estranhamente imutável
tempo presente de um passado imponente e belo
cristalizado em tesouros interiores e exteriores
vivo nas cores temperadas de Maio
que abraçam docemente
o vermelho quente dos telhados e o verde intenso das colinas.

Lisboa #3

Hei-de experimentar
deambular pela cidade durante um dia inteiro.

Um dia frio de Inverno.

Daqueles em que a calçada molhada
brilha na noite mal iluminada
e em que aquela meia hora perdida
à janela do comboio
podia ser uma, duas, três horas até.

Daqueles em que o sol brilha
por entre o vento frio que me faz apressar o passo
e as nuvens se multiplicam em tons de rosa
enquanto os aviões passam
e os pássaros chilreiam no jardim.

Daqueles em que o cair da noite por entre as árvores
coreto e basílica ao fundo
é de uma beleza tão Lisboeta
que me enche daquela certeza de saber onde estou,
uma certeza tão feliz que me aquece.

É nestes dias que me reencontro com a cidade.

Porque nestes pequenos momentos
a cidade (não só o rio) permanece.